Meio&Mensagem

Prepara.me, demissão consciente

Consultoria auxilia as empresas a promover um desligamento humanizado, e os colaboradores com a recolocação no mercado

Por Bárbara Sacchitiello e Taís Farias 

Você já passou ou conhece a história de uma demissão traumática? Há uma grande chance de que a reposta para essa pergunta seja sim. Pensando nisso e com intuito de tornar a demissão um processo mais consciente e humano, a economista especializada em branding e varejo Lucy Nunes criou o Prepara.me, consultoria que ajuda as empresas a promover um desligamento mais humanizado e auxilia os ex-funcionários a aumentarem suas chances de retorno ao mercado profissional.

Lucy Nunes, fundadora do Prepara.me: oportunidade para recolocação de profissionais no mercado (Crédito: divulgacao/Natina)

Lucy conta que a Prepara.me nasceu a partir de sua experiência como voluntária no projeto Revisores do Bem, inciativa que auxiliava pessoas desempregadas e em vulnerabilidade social a melhorar seu currículo e perfil no LinkedIn. Com essa experiência, ela percebeu que havia muitas pessoas que não se encontravam em situação de vulnerabilidade, mas que não podiam pagar valores altos em consultoria para melhorar seu desempenho profissional e em processos seletivos. Foi assim que, no início de 2020, ela estruturou a empresa com foco em cargos de entrada até média gerência.

Na prática, a Prepara.me é contratada pelas empresas e faz todo o processo de acolhimento e acompanhamento dos profissionais demitidos. A consultoria entende o momento do profissional e começa a atuar por meio de mentorias, conectando as pessoas que precisam de orientação com consultores de recursos humanos e carreira. O atendimento pode ser individual ou coletivo e é todo custeado pela empresa que está demitindo. Segundo Lucy, os valores ficam entre R$ 300 e R$ 500 por colaborador.

Ela conta que, historicamente, esse serviço já era oferecido para colaboradores do alto escalão, com profissionais focados em fazer a transição de grandes executivos. No entanto, o acesso a esse benefício era restrito. “Exatamente para os profissionais que têm uma condição melhor de se recolocar”, opina a fundadora da Prepara.me. No entanto, ela é otimista ao enxergar sinais de mudança nessa cultura. “Hoje, as empresas estão mais responsáveis social e emocionalmente pelos colaboradores. A mudança de responsabilidade está chegando, agora, na demissão”, afirma Lucy.

Compartilhe