Trinta faces da diversidade em 2021

Meio & Mensagem lista jovens que se sobressaem ao provocar e inspirar as transformações na indústria de comunicação

Por Alexandre Zaghi Lemos, Amanda Schnaider, Carolina Huertas, Giovana Oréfice, Isabella Lessa e Thais Monteiro

Millennials, geração Z e o grupo que fica no limbo entre eles: ainda que guardem diferenças entre si, as gerações nascidas a partir de 1991 carregam consigo valores, crenças e comportamentos que moldam a comunicação e o mercado a cada dia. São estes jovens que estão ativamente provocando a tão falada transformação do mercado de comunicação, marketing e mídia, injetando uma inovação e uma criatividade que não admitem mais andar separadas da equidade, da inclusão e da diversidade.

Diferentemente dos boomers, da geração X e dos millennials da década de 1980, estes grupos estiveram expostos de uma maneira mais globalizada aos cenários das múltiplas crises atravessadas pela sociedade — até pelo fato de sempre terem estado intimamente conectados à internet. Esta vivência é determinante para o desenvolvimento de pautas que se impõem na agenda das empresas: da necessidade de pluralizar equipes e diálogos à resolução de questões ambientais e sociais, das direct-to-consumer brands ao impacto das experiências. São estes jovens que invertem a lógica dos hábitos de consumo e que, paralelamente, resgatam tendências de décadas passadas, mesmo que repaginadas. São eles que reforçam e cobram pela autenticidade e coesão entre prática e discurso das marcas.

Para retratar a amplitude do setor e reconhecer alguns dos talentos que estão deixando sua marca na indústria, Meio & Mensagem publica a lista 30 Under 30, que reúne nomes selecionados por critérios editoriais e foi norteada pelo objetivo de retratar a amplitude do setor, com suas várias ramificações de negócios, e os múltiplos perfis profissionais que nele atuam. O ponto de partida foi uma consulta aos membros do Círculo Liderança, integrado por assinantes de Meio & Mensagem, que também são chamados a participarem de indicações para o Caboré e o Women to Watch. Com grande adesão dos participantes, chegou-se a cerca de 230 indicados. A partir daí, a redação fez novas pesquisas, checagens e consultas a lideranças do mercado antes de definir os 30 nomes.

Os jovens talentos da versão 2021 dos 30 Under 30 são profissionais multidisciplinares, nativos digitais e que enxergam o trabalho como meio de causar impacto positivo na sociedade — seja pela sua própria voz ou pelas das marcas e empresas que representam. Com conexões para muito além do setor de comunicação, se mostram abertos a integrarem projetos coletivos, nos quais forças se somam na abertura de caminhos para que mudanças relevantes aconteçam. Com isso, a fluidez entre agências, anunciantes e plataformas é muito maior. De espíritos empreendedores, vários já se arriscaram em negócios próprios e pelo menos um terço faz isso neste momento, mesmo que concomitantemente à atuação como funcionários em outras empresas. Neste ponto, muitos encaram o mundo corporativo como laboratório e promovem uma constante troca entre as funções que desempenham nas equipes que integram e seus projetos paralelos.

Os 30 Under 30 representam uma geração, mas não a resumem. Afinal, essa é uma geração que ocupa com mais diversidade os espaços mais visíveis do mercado e é formada por talentos pulverizados por inúmeras áreas, inclusive, com origens geográficas mais amplas — o que é fundamental para uma indústria que concentra a difusão de mensagens nacionais a partir de poucas cidades, especialmente São Paulo e Rio de Janeiro. Os 30 listados vêm de 14 cidades, de oito estados. Isso ajuda na construção de propósitos mais plurais de quem, como eles, embora jovens, já estão preocupados em deixar um legado para o mundo.

Confira aqui a lista completa dos 30 Under 30 de 2021

Publicidade

Compartilhe